Primeira parada em Munique – Augustiner Brau

Como bom cicerone, o Klaus nos pegou no aeroporto e nos levou direto para uma cervejaria, a Augustiner Brau. Segundo ele, a preferida dos moradores da cidade, menos turística que outras muito conhecidas, como a Hobfbrauhaus. A Augustiner é a cervejaria mais antiga da cidade, tendo o início de suas atividades documentadas de 1328 (extraoficialmente, dizem que foi até antes). Ou seja, eles fabricam cerveja muito antes do Brasil pensar em ser um país! 😛

Um brinde a séculos aperfeiçoando a cerveja!

O prédio onde hoje fica o restaurante tem aproximadamente 200 anos, e ainda funciona como fábrica. A comida é típica da Bavária: marrecos, pernis, bolas de batata (o nome dessas bolinhas é kartoffelkloesse. Melhor chamar de bolinha, né?). Caetano pediu uma porção de pernil que tranquilamente alimentaria a nós dois.

Pratinho simples pedido por Caetano

E você acha que eu não tinha pedido também um prato para mim? Pois eu tinha. E era um prato enorme. Fui buscar no cardápio algo que poderia ser traduzido como  “tudo e mais alguma coisa da Bavária”, e veio uma panelinha com duas salsichas, uma fatia de pernil, uma coxa de marreco, uma bola de batata… e acho que era isso. Comida para uma semana, em uma panelinha na minha frente! É claro que não dei conta, mas pelo menos experimentei um pouquinho de cada coisa.

Viu? Quando eu disse que veio numa panela até a mesa, eu não estava brincando...

No caminho para os banheiros, eis que você encontra uma divisória de vidro e, do outro lado, um estábulo. Dali você pode admirar os cavalos que puxam a carroça da Augustiner na abertura da Oktoberfest. Sim, há um desfile de carroças no primeiro dia, e cada cervejaria sai com uma carroça toda adornada, puxada por seus melhores cavalos. Diferente, né? Pois é, então essa visão no caminho pro toilette na verdade é motivo de orgulho pra todos no recinto. Achei bem curioso e peculiar!

Super bem tratados - os cavalos das charretes da Augustiner Brau

Adorei começar nossa visita a Munique já visitando uma cervejaria. Ela estava bem cheia, mas com poucos turistas. Tem cardápio em inglês. E uma lojinha com souvenires, caso quiséssemos levar uma lembrancinha pra casa. Recomendo, com certeza!

Links interessantes:

Site da Augustiner Brau

Site da Hofbrauhaus

Site Oficial de Turismo na Alemanha – em português

Portal Oficial de Munique e Região da Bavária

Site Oficial da Oktoberfest de Munique

Aplicativos que me auxiliaram em minha viagem a Munique:

Munich Guide – Lonely Planet (aproveitei uma promoção e baixei free)

Munich City Guide – gratis. (app sobre Munique recomendado no site da Oktoberfest. Tem todas as atrações da cidade e infos sobre o evento).

Oktoberfest.de – gratis – A maior parte das informações está em alemão (idioma que eu não falo). Mas achei útil porque tem uma webcam mostrando a festa, ao vivo.  Tem informações sobre todas as tendas, e a capacidade das mesmas, no momento. É só jogar o texto no aplicativo do google translator, caso precise.

Munich City Walks – Self-guided Walking Tours Lite – Esse app dá uma idéia do que há pra ver na cidade e traz informações sobre pontos turisticos, mas nada muito aprofundado. Acho legal para me orientar, sempre baixo a versão lite (free) das cidades onde vou.

*Esta viagem foi feita em Setembro/Outubro de 2010. Estivemos em Munique, Schwangau, Neuschwanstein, Rothemburg ob der Tauber e Berlim. Fizemos este circuito em 12 dias.

Munique, em tempos de Oktoberfest

Estar em Munique, em tempos de Oktoberfest, é topar, em qualquer lugar, com turmas animadas de músicos e dançarinos que espalham a cultura da Baviera aos quatro ventos.

Em nosso voo para a cidade, partindo de Lisboa, estávamos acompanhados de uma turma dessas (foto acima explicada?), que estava por lá para dar aos portugueses uma ‘amostra’ do que era a festa. Acredito, inclusive, que isso deva acontecer antes e durante o período da Oktoberfest em toda a Europa, para promover o evento.

Fomos a Munique em Setembro de 2010, e lá ficamos por apenas 3 dias, antes de pegar a Rota Romântica, passando por Schwangau, próximo ao Castelo de Neuschwanstein, e Rothemburg Ob der Tauber, terminando em Berlim.

Apesar do pouco tempo em Munique, aproveitamos muito a nossa estadia, devido a uma amizade feita há alguns anos através do Hospitality Club, onde eu conheci o Klaus. Pois ele gentilmente nos hospedou e nos apresentou a cidade. E nos recebeu como manda a ocasião!

Embolada na mão direita, uma canga com a bandeira do Brasil, que ele abanou na nossa chegada. Recepção super calorosa!

Tá vendo os coraçõezinhos pendurados no pescoço? São feitos de uma massa que lembra pão de mel, só que mais seco. Pode durar até 2 anos (na Alemanha. Em Salvador, durou 3 meses, devido a umidade do ar).  Pois eles fazem parte do kit de boas-vindas. Recebi o coração de Klaus, e Caetano recebeu o coração de Barbara. Achei muito simpático!

E carregamos o nosso no pescoço durante todo o dia. É como se fosse um selo de que você é um visitante e que está sendo (bem) ciceroneado na terra. Adorei!

E, claro, conhecer um lugar com a assessoria de um local faz toda a diferença. Imagina conhecer um evento gigante como a Oktoberfest… conhecedora do Carnaval de Salvador, entendo bem o valor de um cicerone!

Links legais para começar a viagem à Alemanha e a Munique:

Site oficial de Turismo da Alemanha

Portal Oficial de Munique e Região da Bavária

Site Oficial da Oktoberfest de Munique

*Esta viagem foi feita em Setembro/Outubro de 2010. Estivemos em Munique, Schwangau, Neuschwanstein, Rothemburg ob der Tauber e Berlim. Fizemos este circuito em 12 dias.