Carnaval de Salvador – Domingo light na Praça Castro Alves

Para quem conhece o Carnaval de Salvador, o termo “domingo light na Praça Castro Alves” não faz o menor sentido, pois é um local agitado, apertado, e de onde vêm trios de duas direções (Av. Sete e Pelourinho) .  Mas é também um local emblemático, onde ocorrem grandes encontros de artistas, onde os trios “dobram o Sulacap” (prédio da Sulamérica Capitalização que fica na esquina) pra poder subir a Av. Carlos Gomes, onde há uma quase que obrigatória parada técnica por ser um local de grande aglomeração de gente  – uma arena perfeita para todos os artistas em cima de um trio elétrico. Resumindo: é uma área cheia à beça!

Praça Castro Alvees

A Praça Castro Alves é do povo...


Mas qualquer pobre mortal que não queira se submeter a todo o aperto pode, sim, curtir o movimento na Praça Castro Alves – basta escolher o Camarote do Ilê como ponto de apoio, que está em excelente localização: ao lado da Praça Castro Alves, no encontro da Avenida Sete com a Av. Carlos Gomes… bem em frente ao tal Ed. Sulacap! Não há localização melhor no Circuito Avenida!

Trio da Claudia Leite 'dobrando o Sulacap', em bom baianês

E o esquema é mega vip. Você não tem que enfrentar um mar de gente pra chegar ao Camarote.  Basta ir de carro ou pegar um taxi até o Comércio e parar ao pé da Ladeira da Montanha.  De lá, saem vans exclusivas para os que estão com a camisa-acesso – estas vans estão ali tão e somente para subir e descer a Ladeira, te deixando ou pegando praticamente na porta do Camarote.

Com esse acesso super facilitado, é um camarote muito procurado por famílias, inclusive com crianças, para curtir o Carnaval do Centro, que começa mais cedo (e termina tão tarde quanto o da Barra!). Não é esquema pra baladeiros, não. A freqüência aqui é dominada por grupos de amigos,  casais, famílias. Não, não tem boite, e sim um grupo de samba (dos bons!) que toca sempre que há intervalo entre um trio e outro.

O esquema não é all inclusive – há bares com petiscos, bebidas, e um caixa, onde você paga o que vai consumir. Eu não estava bebendo, mas a banca de caipiroskas era muito tentadora!

E por estar em local super privilegiado, de frente pra Baía de Todos os Santos, você ainda pode curtir esse visualzão, quando estiver em algum intervalo entre trios.

Há um espaço onde você pode comprar peças produzidas pelas Oficinas artesanais do Ilê e também fazer um visual afro.

Turbante-express

E quando você acha que já é hora de ir embora, o sol já se foi, os melhores blocos já passaram… é agraciado com a banda do Ilê, que toca os sucessos do bloco – no domingo, eles tocaram por mais de uma hora.

Depois do show, saímos do camarote, entramos na van pra descer a Ladeira da Montanha e pegamos um taxi que já estava no pé da Ladeira, justamente no aguardo dos foliões desejosos de descanso.

E meus hóspedes ainda arranjaram energia pra descer pra Barra e curtir o outro circuito!

Em 2011, as camisas para o Camarote do Ilê estavam R$160,00 por dia. Entre os serviços disponíveis, além do transporte de van (gratuito) também havia massoterapia, lojinha de artesanato e visual afro, por preços bem atraentes.  De comes e bebes (pagos por consumo) – água, cerveja, refris, sucos, energéticos, roskas; churrasquinhos, crepes, abarás e acarajés.

Ano que vem, tou lá de novo!

Bomfim 2009 – Quem tem fé, vai à pé e com os amigos!

Já são 15 anos de Bahia e até então eu não tinha ido a uma Lavagem do Senhor do Bomfim. Sei lá por que – creio que, no início, por pura resistência à mudança de BH pra Salvador. Depois, por impossibilidade devido a estágios e trabalhos. Pois desta vez eu fui – e, numa conjunção cósmica, foi possível que isso ocorresse com pessoas pra lá de queridas: KK, Liu e Pathe. Estávamos todas livres (ou compramos o passe de alforria para 24h) no dia e resolvemos fazer o circuito dos 8km pra conhecer a procissão e, pessoalmente, pra entender mais sobre a devoção ao Senhor do Bomfim.

Fomos via Pelourinho, onde deixamos o carro, e descemos o Plano Inclinado. Chegamos por volta das 09h00min, e pelos nossos cálculos a missa na Igreja da Conceição da Praia  já tinha acabado. Íamos chegar no Comércio e ver onde a gente se encaixava no cortejo…

dsc029021

No dia da Lavagem do Bomfim, vários meios de transporte são gratuitos: trens do suburbio, algumas linhas de ônibus, o Elevador Lacerda e os Planos Inclinados também. Assim, cada uma economizou R$0,05!

A vista da estação do Plano Inclinado é linda! E dá pra descer apreciando a mesma, o que não acontece no Elevador Lacerda… Adoro levar o pessoal que aparece em SSA pra passear de Plano Inclinado. 

Vista Plano Inclinado

Quando chegamos no Comércio, tcharam! Foi justamente na hora que as baianas ‘oficiais’ estavam passando! Melhor, impossível!

LBomfim1

E ainda tinha uma baiana-portuguesa-americana-angolana no circuito! Brevemente, vamos ter que acrescentar canadense e francesa nos adjetivos pra essa menina… a mulher mais cidadã do mundo que eu conheço!

BaianaPortuguesaAmericanaCanadenseFrancesa

Demos uma aceleradinha pra frente das baianas. Ficamos um tempinho acompanhando um grupo de percussão promovido por uma autoridade do governo (tudo muito arrumadinho e padronizado). Aceleramos mais um pouquinho e achamos esse grupo, de um bar da Ribeira (Amarelinho, se não me falha a memória). Estava animadíssimo, e a comissão de frente só rodando a baiana! 🙂

Baianas bomfim

O circuito até o Bomfim é o mesmo que se faz de carro -exceto chegando ao Largo de Roma, onde dá pra pegar uma ‘contramão’… 😉 Além disso, não há como errar, todo o caminho é cheio de faixas de políticos. Se não tem faixa, vc saiu da rota!

Pra registrar nosso périplo, não resistíamos a nenhuma plaquinha indicativa da distância até a Igreja. A cada plaquinha, um flash! Vejam a animação que estávamos no meio do circuito! 😛 Dava até pra mandar essa foto pro Pulando e Viajando!

dsc029421

 

E nessa caminhada vimos um monte de manifestações populares e  atrações turísticas. Teve um pessoal que fez um camarote embaixo do Tunel Americo Simas! Em frente à estação de trens da Calçada, vários manifestantes reivindicando direitos sociais e reclamando do aumento das tarifas de ônibus. Bom, voltando às atrações turísticas… a Igreja dos Órfãos de São Joaquim…

 Orfãos de São Joaquim

A Igreja dos Mares, uma das poucas igrejas em estilo gótico em Salvador… (e existem outras?)

Igreja dos Mares

Entre a fauna ao nosso lado, sempre tinha o pessoal da Rede Bahia. Aí Carol resolveu entrevistar o Giácomo Mancini, pra saber o que ele estava achando do evento, e tal… Liu sacou a câmera de video e foi filmando tudo…

Liu e Carol Entrevistam

Até que, perto do meio-dia, avistamos a Igreja! Ueba! E ainda estávamos tranquilinhas em nosso percurso!

Igreja do Bomfim2

Mais perto, agora chegando na Sagrada Colina…

Sagrada Colina

Nem acreditamos quando chegamos. Foi uma alegria só. Subimos a colina e tentamos chegar perto das escadarias… que estavam protegidas por uma corrente de policiais. Circulamos na praça e ficamos no canto esquerdo da igreja, vista de frente. Mal sabíamos nós que era por ali que subiam os políticos. Enquanto tirávamos fotos, íamos percebendo uma aglomeração instantânea de gente. Olhamos para trás e vimos Paulo Souto, Cesar Borges, ACM Neto e alguns outros. Resolvemos buscar outro lugar pra ficar.

Igreja do Bomfim4

Saímos um pouco da muvuca em frente à Igreja pra esperar a benção. Minutos depois, o corpo já esfriando e a fome chegando, resolvemos tirar nossas últimas fotos e não esperar a benção nada, afinal não conseguiríamos ficar muito perto mesmo! Acho que foi a fome que nos fez pensar assim! 😦

Bomfim3

Aí fomos nos deslocando para a região de Mont Serrat, onde pensamos ter taxi mais fácil. A vista da região é linda linda linda!

Vista Cidade Baixa

E aí começou uma nova caminhada, acho que de uns 3km. Só fomos conseguir taxi lá pelo Largo de Roma. Depois descobrimos que o ponto oficial de taxi é no Caminho de Areia, do outro lado do Bomfim. Tudo bem… Tenho quase certeza que o taxista deu uma volta danada conosco. Mas como o trânsito estava todo proibido na região, não tinha muita condição de saber. Voltamos ao Pelourinho, pegamos o carro e fomos almoçar no Sato, na Barra, de frente pro mar (mas no ar condicionado, que a penitência já tinha acabado!)

Na confusão e no cansaço, nos esquecemos que um dos momentos mais emocionantes é a colina toda cantando o Hino do Senhor do Bomfim, após a benção. Tudo bem, ano que vem vou batalhar um novo passe de alforria de 24h para ir ao Bomfim! Depois de ir uma vez, fica difícil só assistir pela TV o resumo no jornal…

Adri versão 3.4

Sábado, 08/11, Bar Cruz do Paschoal, Santo Antonio Além do Carmo!

VistaCruzdoPascoal

Todos registrando e curtindo o espetáculo… 

img_2817

Olhando para a direita, essa vistazinha aí….

img_2830

E muitas pessoas queridas por perto! Ueba!

img_2834